Obesidade prejudica fertilidade de mulheres e homens

Crédito da foto: UConn Rudd Center for Food Policy & Obesity

Crédito da foto: UConn Rudd Center for Food Policy & Obesity

Se você já ouviu que o excesso de peso pode dificultar a gravidez, saiba que a afirmação é verdadeira. O sobrepeso e a obesidade interferem no ciclo hormonal da mulher e isso é um fator prejudicial à fertilidade. Segundo levantamento do Ministério da Saúde, 51% da população brasileira está acima do peso, sendo 54% homens e 48% mulheres.

A mulher que apresenta gordura corporal em excesso produz mais estrógeno, hormônio sexual feminino produzido pelos ovários e liberado na primeira fase do ciclo menstrual, o que pode dificultar a concepção devido à alteração do endométrio (camada interna do útero).

Descubra a relação do sobrepeso com a saúde bucal

E não é só as mulheres que precisam se cuidar. O excesso de peso nos homens reduz o nível de testosterona (hormônio sexual masculino) e aumenta o de estradiol, o que coloca em risco a produção de esperma, já que o homem com sobrepeso tem maior índice de fragmentação do DNA no espermatozoide, o que pode gerar falha na fertilização.

Segundo o ginecologista Joji Ueno, a dificuldade de muitas mulheres para engravidar está relacionada aos problemas desencadeados pela obesidade, como o diabetes, e a Síndrome dos Ovários Policísticos.

– A paciente que apresenta um quadro de ovário policístico produz uma quantidade maior de hormônios masculinos, os andrógenos (hormônio que dá origem ao desenvolvimento de características próprias do sexo masculino, a testosterona), o que afeta diretamente na ovulação.

O médico comenta ainda que, a testosterona produzida pela mulher interfere nesse mecanismo e, ao mesmo tempo, aumenta a possibilidade de anovulação, já que eles resultam de um defeito na ação dos hormônios do ovário, impedindo a ovulação.

– Diante de um caso de obesidade, recomendo a paciente que, primeiro de tudo, tente emagrecer por meio de exercícios físicos e alimentação mais saudável. Às vezes, somente pela perda de peso, as dificuldades para engravidar podem ser revertidas, visto que a obesidade gera uma resistência do organismo à insulina e isso produz o aumento da produção de andrógenos.

O especialista faz também um contraponto e alerta sobre o peso muito baixo que, geralmente, está associado a outros problemas que afetam a fertilidade como o hipertireoidismo e o endométrio.

– À medida em que se emagrece, diminui a quantidade de gordura no organismo. Um índice de gordura corporal menor do que 17 inibe a produção de estrógeno e de outros hormônios, o que impede a formação e a liberação de óvulos. Este problema pode manifestar-se em mulheres que fazem exercícios físicos intensos ou com anorexia extrema.

Gravida DC