Anvisa amplia aprovação de nova insulina ultrarrápida para crianças e adolescentes com diabetes

childs-1251269-640x480

A Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) acaba de ampliar a aprovação da nova insulina asparte de ação ultrarrápida, nomeada comercialmente como Fiasp, também para o tratamento de crianças a partir de um ano de idade e adolescentes com diabetes. O medicamento deverá ser lançado no Brasil no primeiro semestre de 2020 pela indústria farmacêutica Novo Nordisk e comercializado na loja Diabetic Center.

De acordo com André Bressan, gerente médico da empresa, uma formulação inovadora da insulina asparte (NovoRapid), torna Fiasp um medicamento que chega duas vezes mais rápido ao sangue. Dessa forma, é considerado o composto análogo que chega mais perto de emular a ação insulínica do pâncreas das pessoas sem diabetes.

 

Leia também: Remédio de ação semanal contra o DM2 chega às farmácias

Aplicada no momento da refeição, a insulina permite o controle glicêmico adequado precocemente, com menor risco de hipoglicemia por uma eventual demora da refeição ou desproporção do prato e da dose administrada, explica André.

“Com as insulinas disponíveis no mercado hoje, esse processo precisa ser feito com uma antecedência maior, de 15 a 30 minutos antes de comer. Isso traz dificuldades para a rotina das pessoas com diabetes, que precisam planejar cuidadosamente quando, quanto e o que irão comer para o cálculo prévio da insulina. Com a ação ultrarrápida, a aplicação no momento da refeição ou até 20 minutos após o início da refeição se torna uma realidade, diminuindo a complexidade da rotina de tratamento”.

Lançamento: Conheça os prós e contras da nova insulina inalável aprovada no Brasil

Segundo ele, pais de crianças com diabetes relatam que o momento de alimentação é uma das áreas mais problemáticas para controle da glicemia.

“Já para os adolescentes, o hábito de pular as refeições e de petiscar também constitui um desafio para o gerenciamento do diabetes. Esperamos poder facilitar essas rotinas com Fiasp, trazendo mais facilidade e flexibilidade para que esses pacientes e seus cuidadores alcancem um melhor controle”.

A liberação para uso pediátrico tem como base os achados do estudo Onset 7, que investigou a eficácia e segurança de Fiasp em comparação à insulina asparte convencional (NovoRapid). Durante o estudo, os pesquisadores constataram que a insulina ultrarrápida reduziu o número de incidentes de hipoglicemia (queda do nível de açúcar no sangue). Mais que isso, Fiasp também permitiu que uma parcela maior de pacientes pudesse alcançar a meta de controle glicêmico.

Crédito de foto: FreeImages