Estudo foca sexualidade feminina e diabetes

115593025_716x284px (1)

A influência do diabetes sobre a sexualidade feminina é o tema de estudo realizado pela terapeuta corporal e especialista em sexualidade humana Meireluci Costa Ribeiro, doutoranda da Universidade Federal de São Paulo (Unifesp). O estudo foi feito a partir da constatação, pela terapeuta, de queixas constantes de mulheres com diabetes, independentemente da idade, de alterações na função sexual feminina. “Mulheres de 20 anos ou até aquelas que já atingiram a menopausa, queixam-se no consultório de diminuição do desejo sexual”, afirma Meireluci.

A sexualidade feminina é influenciada por vários fatores: físicos, psicológicos, relacionais e socioculturais, de forma que a diminuição do desejo pode ter várias causas. A mulher com diabetes pode ter infecções genitais mais frequentes, o que provocaria dor e incômodo durante o ato sexual. Outro fator que pode interferir na libido dessas mulheres é o medo das crises de hipoglicemia durante o sexo, mais comuns no diabetes tipo 1.

Cuidar-se fisicamente e seguir as orientações médicas é sempre importante, avalia a terapeuta. Quando a questão é insegurança ou dificuldades sexuais, um especialista no assunto pode ajudar.  Meireluci aconselha a mulher a sempre procurar junto com seu parceiro uma solução que aumente seu nível de confiança. Outra dica é alimentar-se antes da relação sexual, para evitar qualquer mal-estar. O casal deve, ainda, procurar sempre dialogar e cuidar para que ambos estejam sexualmente satisfeitos.

Em alguns casos, a terapeuta ensina exercícios sexuais específicos que podem ajudar a aumentar a libido, como os de estímulo à contração vaginal e de aumento da sensibilização nessa região. Alguns exercícios podem ser feitos pelo casal, mas nem sempre o homem se dispõe a receber orientação quando o problema atinge a mulher, avalia Meireluci.

Hoje há inúmeras opções de exercícios e técnicas que podem ajudar a melhorar a sexualidade como um todo. Essas técnicas, porém, não dispensam a busca do bom controle glicêmico. Por isso, fazer os testes de glicemia, seguir as recomendações médicas e  manter uma alimentação saudável continuam passos fundamentais para atingir o equilíbrio na saúde e na sexualidade.

(Fonte: Meireluci Ribeiro)

Cress – 22499

Fonte: https://www.starbem.com.br/Novidades/Especialista/Estudo_foca_sexualidade_feminina_e_diabetes