Diabetes não sai de férias

021

Diabetes não sai de férias, você sim!

O diabetes não deve ser obstáculo para você realizar uma viagem.

Considerando que você vai sair da rotina, para ter um bom controle glicêmico, revise os horários de sua alimentação e das medicações e planeje toda sua viagem.

Planejamento faz parte de qualquer viagem, serve para aproveitar mais o lugar. No caso do portador de diabetes, além de aproveitar mais o passeio, serve para evitar descontrole glicêmico, visitas a hospitais e sustos aos familiares e colegas.

Claro que é muito importante o portador de diabetes e seus familiares e amigos conhecerem nome e endereço de hospitais, principalmente quando se tem convênio médico.

Siga algumas orientações:

Se for de carro:

•Se for dirigir mais de duas horas, alimente-se com alimento s que contenha carboidratos;
•Se sentir algum dos sintomas de hipoglicemia enquanto dirige, pare o carro no acostamento, em alguma área de alimentação ou posto policial;
•Faça o teste, se tiver condição, e se for necessário consuma algum alimento com base em açúcar e espere pelo menos 15 minutos antes de repetir o teste e se já estiver com a glicemia normalizada, poderá retomar a direção;
•Evite pastel com caldo de cana comum em beira de estrada, ele aumenta muito a glicemia;
•Toda medicação deve ser levada em embalagem dentro do carro, se tiver insulina veja as condições para manter a temperatura necessária durante transporte;
•Não esqueça- “use sapatos confortáveis”.

Se for de avião:

•Toda medicação deve ser levada em embalagem de mão, se tiver insulina veja as condições para manter a temperatura necessária para o transporte;
•Esta medicação deve ser acompanhada de receita médica legível;
•Se usar seringa, pode haver dificuldade em mensurar as unidades desejadas devido à pressurização da aeronave. Qualquer dificuldade chame a comissária de bordo;
•Não esqueça! Mesmo em aviões também é necessário usar sapatos confortáveis.

Se for ao exterior:

•A medicação deve estar sempre acompanhada da receita médica no idioma do país de origem;
•E também é necessário pedir ao seu médico uma receita com o nome comercial do produto no país de destino, se não for possível uma receita em outro idioma, pede-se que tenha uma receita com o nome do principio ativo do medicamento utilizado;
•No momento do chek-in comunique a funcionária da empresa que é portador de diabetes e estará portando medicações e agulhas para controle do diabetes, e se por este motivo é necessário preencher alguma declaração especial tanto no país de origem quanto no país de destino.
Orientações Gerais

•Converse com seu médico e solicite orientação como proceder em caso de urgência;
•Saiba sempre onde está seu cartão do Plano de saúde;
•E também carregue com você seu cartão identificando ser portador de diabetes, telefone de seu médico e de um familiar para contato;
•Deixe sempre à mão o seu kit de monitorização da glicemia – lancetas, lancetador, álcool swab ou algodão e álcool 70%, tiras e local próprio para descarte dos materiais utilizados.

Condições para Transporte de Insulina

Independente do tipo de insulina ou de sua apresentação:

– Toda insulina deve ser utilizada em 30 dias, caso passe esse tempo ela deve ser jogada fora! Mesmo que tenha mais de metade do refil cheio ou que tenha ficado o tempo todo na geladeira.

– O transporte de insulina deve ser feita em bolsa térmica ou isopor com gelo.

– A bolsa térmica controla a temperatura por menos tempo se comparada ao isopor com gelo.

– O preparo dessa embalagem (isopor ou bolsa térmica) devem ser no tamanho ideal para a quantidade de insulina que se está transportando. As insulinas, se transportada em isopor com gelo, devem seguir a forma tipo sanduíche – coloca uma placa de gelo no fundo do isopor, sobre esta uma lâmina de isopor fina e acima desta a(s) caixa(s) de insulina. Sobre as insulinas outra lâmina de isopor fina e finalizando com nova placa de gelo, tampe a caixa e envolva com elástico, para não correr risco de sair à tampa ou não fechar bem.

Boas Férias!