7 mitos (ou verdades) sobre a insulina

Crédito de foto: FreeImages

Crédito de foto: FreeImages

O uso de insulina ainda gera muitas dúvidas e mitos em relação ao tratamento do diabetes, por isso a diretora médica da Sanofi, Luciana Giangrande, vai esclarecer algumas questões sobre este tema. Confira!

1 – O uso de insulina significa que o diabetes é mais grave.

MITO. O uso de insulina para os portadores de diabetes tipo 1 é fundamental desde o primeiro dia do diagnóstico, já que o pâncreas deste paciente não produz o hormônio. Já no diabetes tipo 2, o paciente pode começar seu tratamento com medicações orais, porém quando o corpo não dá conta de equilibrar o nível de açúcar no sangue apenas com comprimidos, algumas pessoas precisam recorrer à insulina. Entretanto, isso não significa, necessariamente, que a doença tenha mais complicações, mas sim, que existe maior necessidade de se tratar mais intensivamente, com associação de medicamentos. Significa que o paciente poderá contar com a ajuda de um medicamento que pode controlar a doença, retardando, as complicações crônicas do diabetes.

 

2 – Só aplicar a insulina é suficiente para o controle do diabetes.

MITO. Para que o controle ideal do diabetes aconteça, é preciso também investir em uma alimentação balanceada, na prática regular de atividade física regular e no uso correto da medicação. Além disso, é importante ficar sempre atento ao peso ideal, evitar cigarro e bebidas alcoólicas e controlar o estresse.

Leia também: Conheça as diferenças entre as insulinas Toujeo e Lantus

3 – Insulina causa hipoglicemia. 

VERDADE. Isso pode acontecer com mais frequência quando o paciente está ajustando as doses de insulina e conhecendo o corpo. Entretanto, o mercado farmacêutico está sempre inovando e disponibilizando insulinas com efeito mais estável e prolongado, minimizando a queda brusca de açúcar no sangue. A hipoglicemia é um dos sintomas que mais causam medo nos pacientes com diabetes. Se ela ocorre durante a noite, enquanto o paciente está dormindo, pode não ser percebida. E, sem uma intervenção rápida, um quadro de hipoglicemia pode até ser fatal. Entre os sintomas de hipoglicemia estão sensação de fraqueza ou fome, tontura, tremor, palpitação, sudorese, alterações da visão e até perda da consciência.

4 – Insulina engorda.

VERDADE. O uso de insulina pode trazer ganho de peso, ou ajuda o indivíduo a recuperar o peso perdido com a descompensação do diabetes, já que é um hormônio que transporta o excesso de glicose do sangue para dentro das células e também é responsável pelo armazenamento de gordura. No caso de idosos, às vezes o ganho de peso pode até ser positivo, mas para os pacientes que querem evitar este efeito colateral é muito importante prestar mais atenção nas escolhas do cardápio alimentar. A boa notícia é que o mercado farmacêutico já oferece insulinas de última geração que minimizam este efeito colateral indesejado.

5 – Uma vez que você usa insulina nunca mais vai parar.

VERDADE. Esta frase se aplica perfeitamente para os portadores de diabetes tipo 1, por ser uma doença autoimune em que o pâncreas não produz insulina. Já no caso dos pacientes tipo 2, a introdução da insulina não necessariamente significa que o diabetes agravou e ele nunca mais vai parar de aplicar o hormônio. Ele pode fazer uso da insulina por um período e depois controlar a doença com medicamento oral e mudança de estilo de vida.

Blog Saúde sem Neura: 10 mitos (ou verdades) sobre o diabetes tipo 2

6 – Insulina humana é tirada de pessoas.

MITO. Insulina humana é um hormônio sintético produzido em laboratório. As primeiras insulinas eram extraídas de porcos e, mais tarde, começaram a ser utilizadas as insulinas de bois. Hoje em dia, a insulina animal não é mais usada no Brasil. Só encontramos no mercado insulinas humanas e análogos de insulina.

7 –  Insulina cega.

MITO. Não é a insulina que causa cegueira, mas sim os vários episódios de hiperglicemia ao longo dos anos que causam alterações nos vasos da retina. O diabetes é a principal causa de retinopatia e cegueira. Para evitar as temidas complicações do diabetes, é fundamental controlar a glicemia com insulina e/ou medicamento oral associado ao estilo de vida saudável. Justamente por atrasar a introdução de esquema terapêutico adequado (como a introdução da insulina, por vezes necessária) é que o paciente passa a conviver com altas taxas de glicose no sangue o que leva o surgimento de complicações, como a retinopatia. Como a insulina era introduzida tardiamente no tratamento, havia este mito de que ela era a culpada pela cegueira, justamente o inverso.